EM ALTA

SÉRGIO OLIVEIRA

É o jogador do momento no FC Porto.
As suas qualidades técnicas já eram reconhecidas, mas a dimensão física apresentada nos dois últimos jogos coloca-o noutro patamar. Intenso e comprometido, amplo raio de acção, pressionante, bom desarme, capacidade de transporte de bola, vertical, remate forte e marcação de bolas paradas.
O golo, a assistência e o livre nos postes são apenas pormenores de uma semana em cheio.
Para o FC Porto, Sérgio Oliveira é o homem certo no momento certo.

A SUBIR

MANUEL MOTA

A arbitragem que efectuou no jogo do Estoril frente ao Sporting roçou a excelência.
Boa condução do jogo, bom acompanhamento das jogadas, critério uniforme, decisões primorosas.
A gestão e o entendimento com o VAR (Luís Ferreira) foram exemplares.
Uma actuação a fazer corar de vergonha alguns dos que se consideram os melhores árbitros e um exemplo para todos os outros.

ESTÁVEL 

ATAQUE DO FC PORTO

Depois de vários jogos de algum desacerto o processo ofensivo portista voltou em pleno. Três golos frente ao Braga e um golo decisivo no jogo com o Sporting confirmam o regresso da confiança e da tranquilidade.
Foram quatro golos, de cabeça, apontados por defesas, médios e avançados e que permitem à equipa manter a invencibilidade.

A DESCER

COMUNICADO DAS TELEVISÕES

A procura de mais e melhor informação é, só por si, louvável.
É também verdade que os clubes de uma forma geral têm condicionado esse acesso e é preciso que haja mais abertura.
Mas para que as exigências dos canais de televisão sejam escutadas e ganhem legitimidade é primeiro necessário que façam uma auto-avaliação e respectiva auto-crítica.
Desde logo porque estão a admitir que não filtram a informação recebida dos clubes.
Depois, porque é precisamente em nome da transparência e do respeito pelos espectadores que esses canais não podem ter convidados que visível e comprovadamente funcionam apenas como reprodutores e amplificadores dessa comunicação dos respectivos clubes. Chegando ao cúmulo de alguns levarem para entrevistas listas de perguntas pré-fabricadas pelo clube.
Por último, não podem pedir por um lado acesso directo a informação e desprezarem por outro gigas e gigas de notícias fresquinhas.
Há, pois, muito trabalho a ser feito. Por todos.

EM QUEDA LIVRE

JOSÉ MANUEL MEIRIM

O jogador do Sporting Fábio Coentrão insultou um árbitro na cara deste, esmurrou um banco de suplentes e, de forma chocante, dirigiu insultos racistas a um colega de profissão. Foi um pleno que não passou despercebido a ninguém mas que, inexplicavelmente, escapou a qualquer tipo de castigo.
Que Justiça é esta que fecha os olhos a tão graves acontecimentos?

Se no primeiro caso a falha é principalmente de Fábio Veríssimo, nos outros dois, por erro, negligência ou omissão, a injustica só tem um rosto: o do Prof. Meirim.