1. O FC Porto foi a Portimão golear a equipa da casa por 5-1, numa demonstração clara da força, da determinação e da união que moldam este grupo. Com este resultado e com esta goleada os portistas solidificam a liderança no campeonato, impedindo avanços e desfazendo ilusões. O momento é de tal forma pujante que o score dos últimos quatro jogos e meio no campeonato é de 20 golos marcados e apenas um sofrido.

 

  1. A chave do jogo esteve na entrada fortíssima do FC Porto. Aos 10 minutos já contava com 1 golo e 2 oportunidades, aos 16 chegava ao 2º golo e antes do intervalo metia o jogo no bolso com a marcação do terceiro tento. Estas entradas são uma das impressões digitais deste FC Porto de Sérgio Conceição e tem ajudado muito a equipa na corrida pelo título. Nos últimos jogos o FC Porto chegou sempre cedo ao primeiro golo: com o Braga foi aos 13 minutos, com o Chaves aos 15, frente ao Rio Ave aos 2 minutos, no Estoril foi aos 7 minutos dos 45 que se jogaram e ontem foi aos 10 minutos. Pode não ser decisivo, mas ajuda muito.

 

  1. Para se apresentar em Portimão o FC Porto teve que superar a ausência de seis jogadores, quase todos considerados titulares quando disponíveis: Aboubakar, Danilo, Ricardo Pereira, Alex Telles, Corona e Paulinho. Para um plantel que se considerava curto seriam ausências a mais. Mas o treinador e a equipa têm conseguido sempre encontrar soluções: a mestria de Sérgio Conceição e o compromisso de cada jogador com a equipa têm permitido transformar dificuldades em oportunidades. E, deste modo, o plantel vai revelando toda a sua elasticidade e riqueza.

 

  1. Ontem lá surgiu mais uma oportunidade e mais uma dificuldade: a entrada de Diogo Dalot e a lesão de Tiquinho Soares. O jovem de 18 anos estreou-se com a naturalidade dos predestinados. Os primeiros impactos foram absorvidos com a preciosa ajuda de Herrera, sempre atento ao lado esquerdo, depois foi em crescendo até terminar a segunda parte com duas assistências para os golos de Soares e de Brahimi. A lesão de Soares, cabeceador exímio e a passar por um excelente momento, é mais um desafio para todos. Estará disponível para o jogo de sexta? E Aboubakar? Chegou o momento de Gonçalo Paciência? Aguardemos serenamente.

 

  1. O FC Porto apresentou-se frente ao Portimonense com grande dinâmica, agressividade e pressão alta. Impôs o seu ritmo, ganhou os duelos e raramente tirou o pé do acelerador. É uma equipa de grande andamento e que quer sempre algo mais de cada jogo. Maxi Pereira foi o primeiro dinamizador do jogo da equipa, Otávio foi sempre o seu maestro (bem à direita, precioso no centro), Marega desbaratou mais uma defesa com a sua potência, raça e velocidade, marcou dois golos (já é o 2º melhor marcador do campeonato) e somou mais um assistência e Hernâni volta a entrar bem num jogo pela 3ª vez consecutiva e já é credor de um golo. Há-de chegar.