EM ALTA

FORMAÇÃO DO FC PORTO

A equipa de SUB 19 dos azuis e brancos qualificou-se para as ½ finais da UEFA YOUTH LEAGUE após eliminar o Tottenham por 2-0.
Pelo caminho já tinha eliminado o Red Bull Salzburg, detentor do troféu, e vai agora defrontar o Chelsea, que já venceu a prova por duas vezes.
Na outra ½ final defrontam-se o Manchester City e o Barcelona.
Mas as prestações internacionais vitoriosas não se ficam por aqui: o FC Porto também vai disputar a ½ final da PREMIER LEAGUE INTERNATIONAL CUP, troféu de que é o actual detentor.
A carreira internacional das camadas jovens do FC Porto não tem escapado à atenção de Sérgio Conceição, que na última terça-feira deixou no twitter a seguinte mensagem: “Parabéns, rapazes! Vocês são o futuro do clube!”.

A SUBIR

SPORTING

Foi por pouco mas continua na Liga Europa. O Sporting, depois de vencer em Alvalade por 2-0, pôs-se a jeito e esteve quase fora da competição.
A ideia de que a eliminatória já estava resolvida quase deitava tudo a perder. Ganhar por 2-0 na 1ª mão é, obviamente, positivo, mas não fecha uma eliminatória. É que um golo madrugador volta a deixar tudo em aberto. Ontem valeu (mais) um golo tardio a fechar as contas.
Fica a passagem aos ¼ de final mas foi pena não se ter somado mais uns pontinhos para o depauperado ranking nacional.

ESTÁVEL

JONAS

O jogador brasileiro é o verdadeiro abono de família do Benfica. São os seus golos e a sua invejável resistência a lesões que mantêm a equipa na luta pelo título e à frente do Sporting.
Está, também, um homem mais adulto: menos quezilento e menos atreito a simulações.
O problema é que para ser um jogador de excepção tinha de se destacar também nos grandes jogos e não apenas no Portugal dos pequeninos.
Jonas marca muitos golos (quase 120 no Benfica) e com uma naturalidade impressionante, mas só marcou dois em quatro épocas de Liga dos Campeões e, no campeonato, só marcou um golo ao FC Porto e outro ao Sporting. Ambos de penálti.
É pouco e é por isso que não singrou no campeonato espanhol e não há lugar para ele na selecção brasileira.

A DESCER

ANTI-JOGO

Este é um dos principais problemas do futebol português.
E tem de ser o futebol português a resolvê-lo. Como lá fora não se atinge os níveis que se vêm em Portugal, os organismos internacionais não sentem a urgência da mudança.
Bem pelo contrário, as regras existem e são explícitas, só têm é de ser aplicadas.
No futuro, a solução poderá passar por diminuir o tempo de jogo para 60 minutos úteis e cronometrados ou, como defende Marco Van Basten, cronometrar os últimos 10.
Por cá, tem de ser o Conselho de Arbitragem a pegar no assunto, com instruções directas para os árbitros cumprirem as leis dos jogos.
O problema é essencialmente nacional porque, por um lado, as diferenças competitivas entre as equipas são enormes e, por outro, os nossos árbitros não têm categoria nem personalidade, e isso torna-os inseguros, o que os leva a ser condescendentes com todos os abusos e a não imporem o respeito pelas regras. Mais, pelos vistos os árbitros não são sequer avaliados por cumprirem ou não as regras de fair play e compensação de tempo.
E não confundamos as coisas: uma coisa é “pôr o autocarro à frente da baliza” ou jogar com o cronómetro, outra bem diferente é rebolar por tudo e por nada e simular lesões ou a sua gravidade. Isto não é desporto.

EM QUEDA LIVRE

BENFICA E LUÍS FILIPE VIEIRA

Vive-se um momento negro na história do Benfica. Não há volta a dar.
As suspeitas são muitas, os casos sucedem-se, os processos acumulam-se, o número de dirigentes indiciados não para de aumentar. A honra do Benfica está manchada, por estas pessoas, e a única questão que se coloca é se isto não pode piorar ainda mais.
O presidente Luís Filipe Vieira falou, mas disse pouco. “Não explica aquilo que existe e inventa aquilo que não existe”, escreve João Miguel Tavares no Público. Digo eu que ensaia uma fuga para a frente que apenas acentuará o caos que já está instalado.
Este Benfica ameaça toda a gente, tornou-se num grande criador ou inspirador de fake news, inundou de trolls as redes sociais, tem peões na comunicação social, aprofundou a cartilha e fala cada vez mais para dentro.
É a verdadeira trumpização da Luz.