1. O FC Porto foi ao Estádio da Luz vencer por 1-0 e recuperar a liderança do campeonato. A equipa portista demonstrou que é a melhor da liga e que, por isso, o primeiro lugar lhe assenta tão bem. Foi uma vitória justa e incontestável e premiou a equipa que mais quis ganhar o jogo e a única cuja vontade de vencer foi aumentando com o aproximar do fim do jogo. O Benfica, a partir dos 75 minutos, e já com o estádio a celebrar, já só queria não perder.

 

2. O jogo de ontem foi uma excelente propaganda para o futebol. Foi daqueles que reconciliam os adeptos com a modalidade. Houve respeito de parte a parte durante a semana, durante o jogo e nas declarações finais. O jogo foi intensamente disputado, mas foi-o com respeito e lealdade. Os jogadores deram o seu melhor, jogaram no seu limite, mas souberam sempre respeitar o oponente. O árbitro foi isento e deixou o protagonismo para os jogadores e para os treinadores. O futebol português precisava de um jogo assim. Disputado por cavalheiros.

 

3. A primeira parte foi muito equilibrada, até nas oportunidades, mas houve uma certa ascendência do Benfica que dominou mais os acontecimentos. A segunda parte já foi bem diferente. O FC Porto, que tinha saído já em crescendo dos primeiros 45 minutos, confirmou esse ascendente e foi empurrando o Benfica para o seu meio-campo, onde se jogou a maior parte dos segundos 45 minutos. Marega e Brahimi tiveram a oportunidade de materializar esse ascendente mas falharam as oportunidades que lhes foram servidas por Ricardo Pereira. Sérgio Conceição, ao contrário de Rui Vitória, foi fazendo substituições de tracção à frente e foi premiado com o excelente golo de Herrera. Um magnífico remate do capitão portista, na sequência de uma jogada de insistência onde ficou bem provado de que lado estava a vontade de vencer.

 

4. Rui Vitória nunca venceu o FC Porto. Aliás, nos últimos 7 confrontos directos temos 3 vitórias para os portistas e 4 empates e em quase todos eles faltou uma pontinha de quase nada para chegar à vitória. A realidade é que este desnível nos confrontos directos entre candidatos não tem impedido o Benfica de terminar em primeiro lugar. É nos confrontos com as equipas mais pequenas que se têm decidido as coisas. Aí os lisboetas estão mais à vontade, até porque é nesses jogos que o Jonas marca golos, e é aí que se tem decidido os campeonatos. E daí os festejos que já iam animando as bancadas benfiquistas na eminência de mais um empate. Não venham agora criticar a estratégia “vitoriosa” do treinador! Desta vez pode ser diferente. O FC Porto tropeçou menos nas pequenas equipas e superou os principais rivais nos confrontos directos (2V e 2 E), culminando na ultrapassagem directa de ontem.

 

5. O campeonato está longe de estar decidido, com as quatro primeiras equipas muito juntas, e ainda podem acontecer grandes surpresas. A vitória sobre o Benfica devolve, então, o primeiro lugar ao FC Porto mas agora com vantagem directa nos resultados entre eles. Os dois pontos de avanço dão alguma margem de manobra ao FC Porto, já que permitem acomodar um empate. Não sendo decisivo, dá algum conforto à equipa. É que os jogos que faltam são muito complicados: deslocações à Madeira e a Guimarães e recepção ao Setúbal e ao Feirense, duas equipas que na época passada empataram no Dragão. Também muito importante é o regresso de Marega e de Corona. Ter o plantel quase todo disponível permite atacar as jornadas que faltam com muito mais confiança.