EM ALTA

MAREGA

O jogador maliano do FC Porto é, de facto, um caso à parte. Reúne um conjunto de características que o tornam num jogador especial e determinante: potência física, capacidade de explosão, velocidade, entrega total ao jogo, golo. Joga e faz jogar. Com ele em campo a equipa ganha asas e até marca mais.

É tão especial que se pode dizer que há um FC Porto com Marega e outro sem ele.

Contra o Vitória de Setúbal marcou o primeiro golo, assistiu para o segundo e dá o esticão no jogo que termina no terceiro. Tudo isto em pouco mais de 60 minutos, uma vez que foi substituído por essa altura para sua própria protecção, já que tinha acusado uma dor a meio da primeira parte. Ainda assim queria continuar em campo.

A SUBIR

ESTÁDIO DO DRAGÃO

O estádio do FC Porto atingiu nesta jornada o milhão de espectadores. São números notáveis porque acontecem apenas pela segunda vez na sua história e porque são a prova definitiva da existência de um autêntico Mar Azul.

É importante salientar também que a média de assistência nesta época é superior à de 2010/11, época em que estes números foram atingidos pela primeira vez, mas com mais 5 jogos.

ESTÁVEL

LIVERPOOL

A equipa orientada por Jurgen Klopp continua a sua marcha imparável na Liga dos Campeões e é a mais empolgante da competição.

Começou por eliminar o FC Porto com um resultado agregado de 5-0, depois eliminou o todo-poderoso Manchester City por 5-1 e, agora, vai para a segunda mão das ½ finais com uma vantagem de 5-2 sobre a Roma (depois de estar a vencer por 5-0).

Se confirmar o apuramento para a final de Kiev, é a segunda época consecutiva em que o FC Porto se vê eliminado por um dos finalistas da prova.

A DESCER

VAR

A minha velha máxima continua actual: “no futebol português não há reforço tecnológico capaz de resistir ao erro humano.”

É revelador que quase no final da temporada a nova arma posta ao serviço da verdade desportiva ainda seja utilizada de forma visivelmente incompetente.

Qual é a dificuldade de entender a ideia-base que está na origem e na implementação do VAR? Qual é a parte da frase “este sistema tem a função de ajudar a corrigir decisões CLARAMENTE erradas” que ainda não perceberam?

EM QUEDA LIVRE

VIOLÊNCIA NO FUTEBOL

Na semana passada salientei aqui a onda de violência espalhada pelas claques do Benfica ao longo da época mas, especialmente, no fim do jogo que culminou com a derrota perante o FC Porto.

Hoje destaco pela negativa as agressões aos árbitros que apitaram o jogo da final dos campeonatos universitários.

Tudo aquilo foi uma vergonha. Estamos a falar de jovens universitários, pessoas de quem se espera um comportamento acima da média e, acima de tudo, de uma competição que visa o convívio, a amizade, o incremento de boas prácticas e um crescimento salutar.

Já agora, onde pára o Secretário de Estado do Desporto? Não será ele também um pouco responsável por estes tristes acontecimentos? A impreparação e a inacção que vem demonstrando neste seu mandato não farão crescer um certo sentimento de impunidade?