1. O FC Porto vinha de uma má exibição que levou a uma derrota com o V. Guimarães, por isso só tinha duas opções: ganhar ou …ganhar. E, de preferência, sem sofrer golos. Graças a uma actuação mais segura os objectivos foram cumpridos e o FC Porto venceu o Moreirense por 3-0, somando os três pontos que eram obrigatórios nesta altura. Não foi uma exibição arrasadora mas, pelo menos, não existiram os sobressaltos que ocorreram nos dois jogos anteriores depois de chegar à vantagem de dois golos.

 

  1. Face ao desaire da jornada anterior e às exibições menos conseguidas nos dois últimos jogos era natural e expectável (eu diria até obrigatório) que Sérgio Conceição fizesse algumas alterações na equipa inicial. Assim, e independentemente da sua responsabilidade particular nesses momentos, saíram Diogo Leite e André Pereira (este, ao que parece, até teve um problema físico) e entraram para os seus lugares Militão e Marega (que acabaram por ser dois dos protagonistas desta vitória).

 

  1. Eu não acho que a exibição tenha sido melhor que o resultado. Antes pelo contrário, o resultado expressa bem o que se passou em campo. O FC Porto fez o suficiente para justificar os três golos que marcou e o Moreirense, apesar do bom jogo, pouco criou para justificar a obtenção de um golo. Claro que não houve ópera no Dragão, mas a exibição do Porto foi bem mais segura do que as duas últimas e pudemos ver uma equipa muito mais próxima do seu valor: mais organizada, maior controlo dos acontecimentos, mais pressão alta, melhor reacção à perda de bola, mais recuperações e mais profundidade ofensiva. O penalti sobre o Aboubakar é claro (derrubado por dois toques, um em cada perna) e não entendo a sua reversão.

 

  1. É justo e oportuno destacar a excelente estreia de Éder Militão: fê-lo com grande naturalidade e confirmou óptimos atributos – mobilidade, velocidade, capacidade de antecipação, jogo aéreo e uma serenidade absoluta. Em circunstâncias normais não sai mais da equipa. Pode é mudar de posição. Quando Mbemba recuperar e se corresponder às expectativas, a defesa do FC Porto pode passar a ter Militão à direita, Telles à esquerda e Filipe e Mbemba no centro. Como “prémio” complementar, o brasileiro ainda recebeu a notícia da convocatória para a Selecção brasileira. Quantos clubes portugueses já tiveram dois convocados na selecção do Brasil?

 

  1. Marega também regressou muito bem, marcando um golo, atirando uma bola ao poste e com a sua velocidade e profundidade que tanto ajudam a equipa; Herrera puxou pelos galões de capitão: marcou um golo e deu sempre o exemplo em campo, tanto na entrega ao jogo como na altura de reunir e puxar pela equipa; Danilo regressou ao fim de cinco longos meses e foi efusivamente saudado pelos adeptos e pelos colegas, que assim reconheceram a sua importância na equipa e no grupo. Esta é das raras vezes em que acho que a pausa no campeonato vem em boa altura. A época já leva dois meses, nem todos os jogadores chegaram ao mesmo tempo, há atletas lesionados, outros que regressam agora de paragens mais e menos longas e é preciso reorganizar as tropas.