1.      O FC Porto foi à Vila das Aves vencer o Desportivo por 1-0 e somar a sua 17ª vitória consecutiva em todas as competições, estabelecendo um novo recorde na história do clube. Esta conquista foi muito importante para o FC Porto porque permitiu alargar a vantagem que já tinha na liderança do campeonato (o segundo classificado está agora a 5 pontos) e deixou a 7 pontos aquele que à partida seria o principal opositor nessa corrida, que entretanto até despediu o treinador.

 

2.      Não foi nada fácil arrecadar os três pontos. O Aves é uma boa equipa (apesar do lugar que ocupa na tabela), tem bons jogadores e é orientado por um treinador que pode ter muitos defeitos mas que não pode ser acusado de falta ambição. O Aves é uma equipa competitiva, aguerrida, com uma defesa compacta, com bons jogadores no meio campo e com atacantes velozes e possantes. O afastamento da final a quatro da Taça da Liga foi uma enorme injustiça.

 

3.      O FC Porto entrou muito bem no jogo e dominou por completo a primeira parte. Os portistas impuseram o seu futebol, empurraram o Aves para perto da sua área e raramente o deixaram sair de lá à vontade, criaram muitas oportunidades de golo e só foram para o intervalo com a vantagem mínima porque o guarda-redes do Aves fez um par de defesas extraordinárias. Os portistas viram ainda dois golos seus serem (bem) anulados por fora de jogo.

 

4.      Este jogo teve duas partes completamente distintas e a segunda foi bastante mais dividida, mais aberta, mais partida, com muito jogo aéreo mas com escassas oportunidades de golo para ambas as equipas: aos 60 minutos Danilo cabeceia uma bola que passa a rasar o poste de Beaunardeau e na última jogada do desafio o Aves, de livre directo, atira uma bola à barra (na 1ª parte, Marega já tinha enviado uma bola ao poste do Aves). O facto de o FC Porto não ter conseguido aumentar a vantagem permitiu que o jogo se mantivesse aberto e o resultado incerto até ao apito final.

 

5.     A sucessão de jogos continua intensa (e o calendário ainda vai apertar mais) mas a equipa do FC Porto apresentou-se, dentro do possível, fisicamente bem. Gostei da resposta que os atletas deram em campo. Muito soltos na primeira parte e sempre disponíveis para a luta, para os duelos físicos, para as disputas das bolas aéreas. Talvez onde se tenha notado mais algum cansaço foi em algumas faltas desnecessárias onde faltou algum discernimento para as evitar. A defesa esteve irrepreensível, no meio campo Danilo e Herrera são dois monstros em ascensão e ao ataque só faltou um pouco mais de eficácia.