1.      O FC Porto empatou a zero com o Sporting (primeiro empate em jogos na I Liga) e termina, assim, a primeira volta do campeonato no primeiro lugar, com 5 pontos de avanço sobre o segundo, 6 sobre o terceiro e 8 sobre o quarto classificado. Não foi um bom jogo de futebol e julgo que o FC Porto acaba por deixar dois pontos em Alvalade.

 

2.      O Sporting surpreendeu (desiludindo) ao jogar para o empate e abdicando da sua identidade. É verdade que não é a primeira equipa que o faz ao defrontar o FC Porto mas, jogando em casa e precisando de vencer, mostrou pouca ambição. Marcel Keizer baixou o bloco, ofereceu a iniciativa do jogo ao FC Porto e apostou no contra-ataque. A única preocupação foi anular o jogo ofensivo dos portistas. O Sporting não quis ganhar.

 

3.      O FC Porto apresentou-se em Alvalade no figurino habitual e disposto a vencer o jogo. A defesa esteve imperial, o meio campo trabalhou muito, anulou ofensivamente o do Sporting e recuperou muitas bolas para o ataque. A questão é que este não esteve ao nível a que nos habituou. Soares e Marega (mais) e Brahimi e Corona (menos) não foram as armas habituais. Faltou o jogo em profundidade (mérito do Sporting) e faltou o jogo apoiado (demérito dos portistas). O FC Porto não soube ganhar.

 

4.      O empate é um resultado justo e que eu tenho de aceitar. Mas a haver um vencedor, ele tinha de ser o FC Porto. A equipa de Sérgio Conceição manteve a sua identidade e não abdicou dos seus princípios, teve as melhores oportunidades de golo (podendo o remate de Soares ter sido decisivo) bem dentro da área e, nos poucos momentos em que uma das equipas se superiorizou à outra, essa equipa foi sempre a do FC Porto: principalmente no início e no fim da 2ª parte. De realçar, por fim, que o FC Porto podia e devia ter jogado toda a segunda parte contra 10 jogadores do Sporting, Bruno Fernandes devia ter visto o 2º cartão amarelo que ficou no bolso por falta de coragem de Hugo Miguel.

 

5.       O FC Porto chega ao fim da primeira volta com a vantagem que já enunciamos no ponto 1. É uma classificação justa porque a equipa tem sido a mais regular, a mais consistente, a mais trabalhadora e a mais competitiva e comprometida com a vitória entre todos os candidatos ao título. O FC Porto tem uma equipa de grande qualidade e um plantel com soluções e muito focado em vencer cada jogo. Mas o caminho é longo, sinuoso e com muitos obstáculos pela frente. Acredito na equipa e acredito no carácter e na excelência do trabalho de Sérgio Conceição. Sei que não cairão em facilitismos.