EM ALTA

TAÇA DA LIGA

Polémicas à parte, com Vieira e Salvador a fazerem de incendiários do futebol português, substituindo nesse papel, com grande afinco, Bruno de Carvalho, a final-four da prova ofereceu-nos dois bons jogos de futebol, muito disputados e competitivos. As audiências devem comprová-lo. O jogo entre FC Porto e Benfica foi um dos clássicos mais bem jogados dos últimos anos e talvez o melhor jogo de sempre da competição. Os portistas foram uns justos e claros vencedores e os benfiquistas foram uns dignos vencidos. Fica também o registo do ambiente de respeito e fair-play que se viveu dentro das quatro linhas. A outra meia-final, entre Braga e Sporting, foi mais equilibrada e menos espectacular mas também bem disputada e com qualquer um dos clubes a poder chegar à final. Foi o Sporting, mais uma vez nas grandes penalidades.

A SUBIR

MAR AZUL

Os mitos são isso mesmo: narrativas, lendas, fábulas. E, como tal, mais tarde ou mais cedo acabam desmentidos pela realidade. Em Portugal, o mito dos seis milhões vai-se tornando anedota e desfazendo-se perante os nossos olhos. Nos últimos meses ficámos a saber que o FC Porto é o clube com mais adeptos/seguidores nas redes sociais. São mais de 6.2 milhões de seguidores, contra 5.9 do Benfica e 3.9 do Sporting. Não é um número definitivo mas ajuda a perceber a realidade. E a realidade é que o FC Porto já leva mais gente aos estádios do que todos os seus rivais. Setúbal, Belenenses, Portimonense, Chaves, têm alguns dos estádios que o podem comprovar. Mas esclarecedor foi o contraste entre a presença portista e benfiquista no jogo da ½ final da Taça da Liga, ainda por cima, disputada em Braga: bancadas do FC Porto esgotadas, bancadas do Benfica longe dos dois terços e com menor lotação.

ESTÁVEL

E-TOUPEIRA

O Ministério Público confirmou que interpôs recurso para o Tribunal da Relação da decisão instrutória da juíza Ana Peres de não levar a SAD do Benfica a julgamento. Isto porque considera que as provas apresentadas são suficientes e, digo eu, continuam a ser vastas e cristalinas. É uma boa notícia porque é sempre bom para a imagem da Justiça que ela tenha correspondência com a realidade. Se há ligação que seja forte e visível para o cidadão comum é a que existe entre Paulo Gonçalves e o Benfica. Aliás, ainda esta semana tivemos notícias que nos dão conta da força e da actualidade dessa relação, uma vez que o director jurídico continua bem activo a trabalhar para a SAD benfiquista.

A DESCER

BTV

Já sabíamos que a televisão do Benfica adulterava as transmissões que faz dos jogos em casa do seu clube, também já sabíamos que naquele canal se desejava a morte a dirigentes de outros clubes, agora ficámos a saber que durante a narração dos jogos disputados fora do estádio da Luz, os adversários são insultados, injuriados, ofendidos e tratados abaixo de cão. Perdão! Abaixo de cão, não. São mesmo tratados por cães, bandidos, mafiosos, gentalha, corja e como gente que mete nojo. Sim, tudo isto saiu da boca de um jornalista da casa e dirigido a jogadores, dirigentes e adeptos do FC Porto. Isto é o Benfica actual. O Benfica de Vieira. E de todos os que contemporizam.

EM QUEDA LIVRE

LUÍS FILIPE VIEIRA

Toda esta polémica à volta da ½ final da Taça da Liga é tão absurda como artificial e visa apenas a vitimização do presidente do Benfica, que assim tenta ganhar algum espaço e tempo para respirar. Claro que, pelo caminho, aproveitou para condicionar e coagir a arbitragem, sacrificando, mesmo, nessa luta um dos seus peões. Vieira está acossado e pressionado por todos os lados: Polícia, Ministério Público, Tribunais, sócios e simpatizantes do clube, oposição interna e candidatos ao seu lugar, despedimento de Rui Vitória e valia do plantel. São frentes a mais e assim e de uma penada, aproveitando-se de uma jogada/decisão duvidosa, cria um ambiente de histeria, sacode essa pressão toda, reagrupa os benfiquistas à sua volta e silencia as críticas e os opositores. Por uns minutos pode respirar melhor.