EM ALTA

BRUNO LAGE

O Benfica está em alta e o mérito tem de ser atribuído, em grande parte, ao seu treinador. É um Benfica muito diferente do de Rui Vitória (que eu sempre defendi que não era treinador para o clube): mais vivo, intenso e feliz. Claro que este bom momento, em que tudo corre até melhor que o planeado, não dura para sempre, mas isto é mais parecido com aquilo que se espera do Benfica e do seu plantel. Boa estreia na Liga Europa, com a vitória de ontem frente ao Galatasaray (que o FC Porto derrotou por duas vezes na Liga dos Campeões) e que deixa à vista os 1/8 de final da competição. Vai ser uma segunda parte de época bem animada, até porque da única vez que as equipas se defrontaram, o Benfica foi derrotado de forma clara pelo FC Porto.

A SUBIR

RUI PINTO

O informático português que está na linha da frente da denúncia e da luta contra a corrupção no futebol europeu, colaborando com as autoridades de vários países (só em Portugal é que é tratado como um criminoso), recebeu uma excelente notícia esta semana, e que foi distorcida (com que objectivo?) por alguma imprensa portuguesa: um tribunal húngaro de segunda instância negou a pretensão da acusação de decretar a sua prisão preventiva. Rui Pinto vai continuar, assim, na sua casa, apenas em prisão domiciliária. A questão que se punha não era entre a liberdade e a prisão, mas sim agravar a medida para prisão preventiva (efectiva). O que foi negado.

ESTÁVEL

SÉRGIO CONCEIÇÃO

O treinador campeão nacional e líder da prova continua a revelar toda a sua arte e todo o seu engenho na forma como vai ultrapassando os obstáculos que lhe vão aparecendo. Privado de várias das suas principais peças ofensivas, o treinador portista conseguiu ir a Roma e trazer de lá um resultado que permite à equipa continuar a acreditar que é possível chegar aos ¼ de final da Liga dos Campeões. O FC Porto jogou sem Marega e Aboubakar, os dois melhores marcadores da época passada e, no caso do maliano, melhor marcador na actual Liga dos Campeões, faltou Corona, melhor assistente da equipa, perdeu Brahimi durante o jogo e ainda assim foi capaz de chegar ao golo (por Ádrian Lopez) e ir atrás do empate (juntando-lhe André Pereira e Hernâni). Frente ao Setúbal tem um novo desafio pela frente: volta Corona mas falta Brahimi. Além de Marega.

A DESCER

JUSTIÇA PORTUGUESA

Seja em que vertente for, há sempre alguma coisa que a ensombra. Neste caso, é na justiça desportiva. O Sporting fez queixa do Benfica por apoiar claques ilegais em, salvo erro, 16 jogos. A Comissão de Instrutores da Liga (CI) perante as evidências que entram pelos olhos dentro de qualquer cidadão decide arquivar a queixa. O Conselho de Disciplina (CD) da Liga, que pelo menos tem um olho aberto, obrigou, dentro dos seus poderes, a CI a deduzir acusação. Como o processo se tinha arrastado, alguns dos jogos em causa prescreveram. Relembro que o processo tem início no dia 18 de Abril de 2017 e que a primeira decisão da CI (arquivar) foi tomada a 6 de Dezembro de 2018! Obrigada, então, a agir, a CI debruça-se sobre os jogos ainda puníveis (7) e propõe um castigo de 1 a 3 jogos por cada infracção (dentro do quadro penal previsto). O castigo podia ir, por isso, de 7 a 21 jogos. No entanto, o CD entende que 4 jogos de interdição são suficientes (Porquê? Com que fundamento? Como justificam o cúmulo jurídico?). Apesar da leveza do castigo o Benfica decide recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), que tem neste momento seis jogos de castigo ao Benfica para analisar! Recordo que o IPDJ em Agosto castigou o clube com um jogo à porta fechada e que o CD entretanto aplicou um jogo de interdição por comportamento incorrecto do público. Andará o TAD assim tão atarefado? Falta pessoal? Falta tempo? Falta vontade? É difícil entender tanta demora.

EM QUEDA LIVRE

BENFICA/BTV/VALDEMAR DUARTE

É um triunvirato onde claramente falta a educação, a ética e os princípios morais. É tudo muito rasteiro. Os insultos proferidos pelo jornalista benfiquista da BTV ao FC Porto, aos seus atletas e aos seus dirigentes mereceram um pedido de desculpa ao…Benfica, à BTV e aos jornalistas. É cobardia e mais uma vez revela o carácter dos intervenientes. Ao contrário, José Nuno Martins, que também tinha insultado e proferido comentários racistas em relação a Jorge Andrade veio, de forma frontal, pedir desculpas. Não apaga o episódio, mas sai dele com outra dignidade.