1. Jogando apenas pela terceira vez em casa neste ano, o FC Porto derrotou o Setúbal por 2-0 e aumentou a vantagem para os seus mais directos perseguidores: quatro pontos de vantagem para o segundo classificado (provisórios?) e cinco pontos definitivos para o terceiro lugar. Depois de dois empates consecutivos (um deles muito injusto e o outro numa exibição menos conseguida) foi muito importante este regresso às vitórias.
  2. Sérgio Conceição não podia contar com Marega e Brahimi (Aboubakar está lesionado há meses) e teve de refazer o ataque da sua equipa. Ádrian Lopez jogou sobre a esquerda, Otávio na direita e Corona no apoio ao ponta de lança, Soares. A verdade é que este novo figurino funcionou muito bem e todos estes jogadores estiveram em bom plano e contribuíram de forma decisiva para a vitória. Ádrian Lopez saiu debaixo da maior ovação destas quatro épocas em que esteve ao serviço do FC Porto e pode vir a ser decisivo no final da temporada.
  3. A vitória do FC Porto foi justíssima e a exibição foi agradável e convincente. A actuação da equipa foi consistente e bastante homogénea ao longo dos 90 minutos. Marcando o primeiro golo logo aos 15 minutos, nunca deixou de ir à procura do melhor e mais volumoso resultado possível. Gostei muito da dinâmica da equipa e da forma harmoniosa como ligou o jogo. Mobilidade, boa circulação de bola, pressão e recuperação da bola em zonas altas. Com melhor definição na área e mais pontaria poderia ter chegado à goleada.
  4. A defesa também sofreu alterações relevantes: Militão, melhor defesa da Liga desde que chegou a Portugal e ao FC Porto, regressou ao centro da defesa e voltou a fazer parelha com Filipe. É, de longe, a melhor dupla de centrais do campeonato. Mas eu percebo porque teve que jogar a lateral. Esta alteração levou à estreia a titular de Manafá no lado direito da defesa. E que belo jogo ele fez! Com pouco trabalho defensivo, é certo, empenhou-se e embrenhou-se no ataque e no apoio aos seus colegas da frente. Meteu velocidade no jogo, deu profundidade e largura no ataque, centrou e quase assistiu para golo. Uma estreia em grande e a deixar água na boca. Juntamente com Alex Telles, para mim o melhor em campo, formou uma dupla de alas vertiginosa.
  5. Danilo voltou a lesionar-se, depois de uma entrada, na minha opinião, maldosa de Éber Bessa. O médio estava a regressar à forma que o torna num médio de categoria superior e a sua saída só não foi tão notada porque Óliver entrou muitíssimo bem e fez um excelente jogo. A mestria de Sérgio Conceição volta a estar à prova na próxima jornada: às ausências de Marega e Brahimi, juntam-se agora as de Danilo e de Soares, que viu o quinto amarelo. Em Tondela, o treinador do FC Porto vai ter de refazer pela quarta vez consecutiva o ataque da equipa.