1.      O FC Porto derrotou o Boavista por 2-0 e mantém-se determinado na luta para conquistar o título de campeão. Faltam seis finais e a emoção vai aumentando. Estava em causa o derby da cidade do Porto e, por isso, a dificuldade e a expectativa eram maiores. Normalmente, o clube de menor dimensão agiganta-se nestes momentos e todo o cuidado era pouco. A vitória portista acabou, no entanto, por ser justa, natural e sem mácula.

 

2.      O FC Porto teve uma entrada fortíssima em jogo e aos 30 minutos já tinha criado sete oportunidades claras de golo. Desta vez a equipa entrou concentrada e determinada e não ofereceu qualquer vantagem ao adversário. Os portistas apresentaram uma boa dinâmica de jogo, com largura, profundidade e jogo interior quanto baste. O golo acabou por surgir de uma falta indiscutível sobre Brahimi dentro da área. Soares não perdoou. Ainda antes do intervalo, Marega meteu a bola dentro da baliza boavisteira mas o maliano estava em fora de jogo no momento do passe de Soares.

 

3.      O FC Porto voltou a entrar de rompante na segunda parte e chegou logo ao segundo golo, num belo remate de Otávio. A partir deste momento, sem nunca deixar de tentar chegar ao terceiro golo (Marega, Danilo e Brahimi), os portistas passaram a gerir o jogo, o resultado e começaram a pensar na eliminatória com o Liverpool. O FC Porto meteu a partida no congelador e jogou com o resultado, com o tempo e com as substituições. A vitória e os três pontos estavam assegurados.

 

4.      Confesso que esperava um bocadinho mais do Boavista. Mais qualidade, mais ambição, mais atrevimento. Os axadrezados limitaram-se a defender, tentando adiar sempre o golo seguinte do FC Porto. O Boavista apresentou-se com uma defesa de cinco jogadores, mais um alinha de quatro médios e apenas um elemento um pouquinho mais adiantado. A produção atacante foi nula e Casillas limitou-se a assistir ao jogo.

 

5.      Soares foi a figura do jogo ao apontar o primeiro golo da equipa, mas já se tinha destacado no número elevado de oportunidades criadas e outras oferecidas aos colegas. O brasileiro está na sua melhor época e já leva 19 golos marcados, 13 no campeonato. Um verdadeiro matador. Otávio e Brahimi também se destacaram pelo jogo que fizeram. Construíram muito e criaram muitas oportunidades de golo: Otávio até marcou um golo e Brahimi sofreu o penalti que abriu o marcador. Globalmente a equipa esteve toda bem. Depois dos jogos desta jornada, continuo a pensar que o FC Porto, não tendo vantagem na classificação, tem vantagem psicológica nesta corrida a dois pelo título.