1. Nada melhor do que somar três pontos para consolidar a excelente vitória na Luz e encarar com tranquilidade a paragem para os jogos das Selecções. O FC Porto derrotou o Vitória de Guimarães por 3-0 e segue no pódio da I Liga. Na época passada, e por esta altura, os vimaranenses vieram ao Dragão levar três pontos e no final os portistas somaram apenas um ponto neste confronto particular.
2. É justo que se diga que o resultado foi bem melhor que a exibição. Não está em causa a vitória, claro!, mas sim o desnível da mesma. O FC Porto nunca teve o jogo completamente controlado até ao segundo golo e, principalmente na primeira parte, a velocidade foi sempre baixa e o jogo previsível. A segunda parte já foi melhor. Mas só depois das substituições, nos últimos 15 minutos, é que se viu um Porto mais afoito, veloz e perigoso. E a conseguir selar a vitória.
3. Marega e Marchesín foram as grandes figuras do jogo. O avançado, de volta à boa forma depois da lesão na época passada, voltou a ser determinante no jogo da equipa e levou-a às costas até à vitória. Veloz, profundo, indomável, Marega marcou dois golos, teve mais duas ou três oportunidades e ainda sofreu a falta que deu origem à primeira expulsão. Já o argentino evitou o empate com duas grandes defesas e ainda manteve a sua baliza inviolável com mais uma notável intervenção ao cair do pano. Que categoria!
4. O jogo do Vitória de Guimarães ficou marcado pela expulsão logo no início do desafio. Mas não se pense que os vitorianos se limitaram a defender. Bem pelo contrário. A sua primeira preocupação era controlar o jogo do adversário e não deixar aumentar a vantagem (e que bem que o fizeram), mas sempre que puderam estenderam-se no campo e levaram o perigo à baliza portista. É uma equipa a ter em conta neste campeonato. Bom treinador, bons jogadores, excelente massa adepta.
5. Carlos Xistra nunca foi um bom árbitro e ontem cometeu alguns erros. A expulsão de Tapsoba não é totalmente clara. Há falta, o jogador ia na direccção na baliza e com elevada possibilidade de fazer golo. Resta avaliar se o último pressuposto para cartão vermelho se verifica: a posição de outros defesas que eventualmente pudessem impedir a jogada ou o golo. Eu acho que já ninguém lá chegava. Mas aceito as duas interpretações. Do que eu já não tenho dúvida nenhuma é que ficaram por assinalar duas grandes penalidades a favor do FC Porto: Marcano e Luís Diaz foram atingidos a soco e a pontapé.