1. O FC Porto venceu o Santa Clara por 2-0 e mantém-se no topo da I Liga. O jogo podia ter terminado numa goleada tal foi o número de ocasiões criadas pelos portistas. Mas o desacerto na hora da finalização impediu que isso acontecesse.

2. O encontro previa-se difícil porque o adversário era valoroso, porque podia aparecer o cansaço devido ao jogo europeu há menos de 72 horas e porque em cada um dos últimos jogos do FC Porto tinha havido sempre um período de menor fulgor. A realidade é que a equipa superou tudo isso e fez um dos jogos mais consistentes da temporada, apresentando uma frescura física surpreendente.

3. O Santa Clara foi pólvora seca. Uma desilusão. Apresentou-se ultra defensivo, incomodou muito pouco o FC Porto, chegou poucas vezes à área portista e fazendo apenas um remate à baliza do sempre atento Marchesin. Muito pouco para uma equipa que entrou bem no campeonato e deverá fazer uma época tranquila.

4. O FC Porto controlou a partida quase sempre, explorou muito bem as faixas, teve jogo interior de qualidade, chegou muitas vezes a área do Santa Clara e fê-lo de forma diversificada. Só faltou maior acerto na hora de finalizar. Foram uns bons 90 minutos, a mostrarem que a equipa está a subir de rendimento.

5. Todos os jogadores tiveram exibições positivas. No entanto, é inegável a relevância das prestações de Otávio, Corona, Danilo e Zé Luís, que já é o melhor marcador do campeonato. O mexicano está comprometido com a equipa e totalmente envolvido nas suas novas funções; o brasileiro é cada vez mais influente – quer na organização do jogo, quer na consistência que dá à equipa, para alem de ser um desequilibrador nato; o português, como já referi noutras crónicas, sente-se muito à vontade com o seu novo parceiro do meio campo e solta-se e arrisca muito mais no jogo ofensivo.