1. O FC Porto derrotou o Portimonense por 1-0 e é o novo líder (à condição?) do campeonato. Foi uma vitória obtida a ferros uma vez que o golo solitário da vitória chegou apenas aos 86 minutos. A grande verdade é que, com a vitória de ontem, o FC Porto passou em apenas três jornadas de uma desvantagem de sete pontos para uma vantagem de dois pontos sobre o Benfica, que joga hoje em Barcelos frente ao Gil Vicente.

2. O FC Porto não fez um grande jogo contra o Portimonense mas a vitória acaba por ser justa. O maior caudal ofensivo, a vontade de vencer, o acreditar até ao fim e duas ou três oportunidades em cada parte, contra duas enormes oportunidades do Portimonense no jogo todo, acabam por justificar esta difícil vitória. O apoio que veio das bancadas foi fundamental!

3. O FC Porto entrou bem no jogo, teve uma grande oportunidade por Corona mas depois foi perdendo fôlego e o Portimonense acabou por suster o jogo ofensivo portista. Só por volta da meia hora a equipa voltou a carregar e acabou por criar mais duas ou três oportunidades de golo. Perto do intervalo o Portimonense esteve quase a marcar: por duas vezes e ambas por Jackson Martinez. O FC Porto entrou mal na segunda parte e Sérgio Conceição faz uma dupla substituição aos 55 minutos, entrando Nakajima e Zé Luís para o lugar de Uribe e Soares. O jogo não mudou muito mas a qualidade e irreverência de Nakajima despertaram a equipa e criaram algum desconforto no Portimonense que estava perfeitamente tranquilo com aquilo que o jogo estava a dar.

4. A verdade é que o FC Porto, ao contrário de todas as expectativas, acabou por fazer um jogo abaixo das suas possibilidades. Faltou clarividência e agressividade; muitos passes longos e muitos passes errados; faltou o futebol apoiado e o jogo interior; houve pouca chegada à área. Acho que, de alguma forma, se pagou o peso do jogo europeu três dias antes. Não serve de desculpa, como muito bem diz o técnico portista, mas ajuda a explicar alguma falta de gás.

5. Não foi a bem, foi à bomba. Alex Telles, bem descoberto por Marcano, enviou um petardo indefensável à baliza de Gonda e selou assim a, muito festejada, vitória portista. O Portimonense foi uma agradável surpresa: bons jogadores (isso já sabíamos), bem organizados, com uma defesa a cinco e muito alta, o bloco algo subido e a tentarem jogar no campo todo. Assim, ficam na I Liga. Quem já não devia ter lugar no futebol português era Bruno Esteves. A falta de rigor e de critério são inadmissíveis e incompatíveis com um futebol justo e acima de qualquer suspeita.